Evidências Covid 19

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Quais estratégias governamentais foram adotadas no Peru em relação à proliferação de desinformação?

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

A abordagem adotada pelo Peru contra a infodemia sobre a COVID-19: insights e estratégias

DUARTE, Rosália Maria

ALVAREZ-RISCO, A. ; et al. The Peru Approach against the COVID-19 Infodemic: Insights and Strategies. Am J Trop Med Hyg., v.103, n. 2, p. 583-586, Aug. 2020. Doi: 10.4269/ajtmh.20-0536. Epub 2020 Jun 4. Disponível em https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32500853/

Os autores contextualizam o estudo informando que o Peru está entre os 15 países do mundo com mais casos de coronavírus, o segundo na América Latina. Com base em estudos publicados, argumentam que a crise causada pela pandemia, em si mesma, provoca altos níveis de estresse, ansiedade e outras formas de adoecimento mental, que podem ser agravadas pela proliferação de notícias falsas ou informações sem a devida base científica, definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como infodemia. Esta foi acompanhada por manifestações racistas e pela difusão e promoção de tratamentos e de medicamentos não comprovados cientificamente. Os autores acreditam que o tempo livre provocado pelo isolamento social e a baixa taxa de alfabetização em saúde tenham contribuído para o agravamento do problema. Apresentam um esquema explicativo de ações envolvidas na decisão de compartilhar ou não notícias sem confiabilidade. E descrevem e analisam algumas das ações empreendidas pela política de saúde do Peru para combater a infodemia, a partir, principalmente, de três grandes “boatos” que circularam massivamente com potencial para comprometer o enfrentamento da doença no país: 1)  que a previsão de mortes até maio seria de mais de 120 mil, quando na verdade o número de mortos foi pouco superior a mil; 2)  que o ministro da Economia havia contraído a doença e estaria com sintomas visíveis; 3) que o Presidente teria sido hospitalizado com sintomas graves, em razão da doença.

Medidas tomadas pelas instituições governamentais para evitar a infodemia:

O Ministério dos Direitos Humanos anunciou pelo Twitter que as pessoas que criassem ou compartilhassem notícias falsas sobre a COVID-19 poderiam ser punidas com prisão, e que a pena seria aumentada caso a notícia causasse danos a terceiros. Segundo os autores, o Peru foi o primeiro país da América Latina a implementar sentenças de prisão por criar e divulgar notícias falsas.       

O Governo empreendeu esforços e pressões junto ao Twitter, para que contas que divulgassem notícias falsas sobre a pandemia fossem excluídas, e junto ao Ebay e à Amazon (plataformas de comércio eletrônico) para que anúncios de medicamentos para a COVID-19 sem comprovação científica fossem automaticamente apagados.

O Governo iniciou também a elaboração de um currículo específico, voltado para alfabetização científica nas escolas públicas.

Agências públicas de saúde do país foram instadas a abrir e manter perfis nas redes sociais, com postagem permanente de informações e dados científicos sobre a doença, e a participarem diretamente dos debates públicos nessas redes, questionando informações não verdadeiras ou sem comprovação.

Foram paralelamente implantadas abordagens de verificação e acompanhamento de postagens, por meio de programas de inteligência artificial, para detectar informações falsas e notificar a plataforma responsável pela publicação.

Os autores concluem que a ampliação da alfabetização em saúde é a principal medida preventiva contra a disseminação de informações falsas e sem base científica.

Esta resenha pertence ao grupo sobre:

Como melhorar a proteção de motoristas comerciais em relação à COVID-19 frente aos múltiplos fatores negativos para a saúde?

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Estruturas sindêmicas para compreender os efeitos da COVID-19 no estresse, saúde e segurança do motorista comercial

PORTO, Ana Maria

LEMKE, M. K.; APOSTOLOPOULOS, Y.; SÖNMEZ, S. Syndemic frameworks to understand the effects of COVID-19 on commercial driver stress, health, and safety. J Transp Health. v. 18, p. 100877, Sep. 2020. Doi: 10.1016/j.jth.2020.100877. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7245330/

Nos EUA existem cerca de 2 milhões de motoristas comerciais expostos cronicamente a fatores estressores que interferem nas respostas comportamentais e psicossociais, determinando profundas disparidades de saúde e segurança. Ao longo da pandemia da COVID-19, evidências demonstram que novos fatores estressores foram introduzidos e fatores pré-existentes foram agravados, ampliando o impacto sobre a saúde e as condições de trabalho. Os autores destacam a inadequação dos modelos de pesquisa atuais para o estudo das consequências da pandemia neste grupamento, por desconsiderar o sinergismo entre os diferentes fatores envolvidos. Como consequência, os resultados podem indicar ações de pouco impacto no processo de saúde-doença dos motoristas comerciais americanos. A utilização dos modelos sindêmicos é apontada como adequada para esta análise.

Nos últimos 40 anos, mudanças na política federal norte-americana alteraram fundamentalmente a estrutura, a organização do trabalho e dos locais de trabalho desses profissionais, tornando o setor de transporte de cargas mais competitivo. Contudo, o impacto para a categoria foi negativo, com redução de salários, e remuneração “por quilômetro” resultando em longas jornadas de trabalho. Assim, o trabalhador experimenta isolamento social crônico, e tem maior dependência dos serviços existentes ao longo das estradas e localidades muitas vezes de pouca qualidade. Alimentação não equilibrada, falta de atividade física, difícil acesso a serviços de saúde, exposição a estresse crônico, pressão por maior produção e uso de álcool e drogas interferem diretamente na saúde do trabalhador e podem induzir a comportamentos inseguros ao dirigir, resultando em acidentes rodoviários.   

A evolução da pandemia da COVID-19 levou à piora dos serviços nas estradas e nas localidades, maior demanda e pressão para manutenção das cadeias de suprimento de consumo e saúde, e restrições de viagens, agravando condições endêmicas pré-existentes.

Todavia, novos fatores estressores foram introduzidos, como a preocupação com a doença, a ausência de Equipamento de Proteção Individual (EPI) e o maior risco de adoecer, o difícil acesso a serviços de saúde ou a falta de condição para permanecer em quarentena, que somaram-se aos estressores crônicos.

Em consequência, os autores destacam a possível escassez de mão de obra, por adoecimento, absenteísmo ou abandono, e o aumento de demanda para os motoristas restantes, agravando o ciclo vicioso de estresse crônico. Favorecem o adoecimento, o agravamento de condições pré-existentes e a pior evolução dos casos da COVID-19 entre motoristas comerciais.

Frente à complexidade da interação entre fatores sociais, econômicos, políticos e biológicos, e sua relação com o processo de saúde-doença de motoristas comerciais, os autores defendem o uso de estruturas sindêmicas em pesquisas que analisam os impactos da pandemia da COVID-19 sobre o estresse, saúde e segurança desse grupo de trabalhadores. A compreensão dessas relações dinamicamente complexas e de como elas podem induzir diferentes resultados de saúde e segurança, inter-relacionados, favorece o desenvolvimento de políticas públicas e ações de prevenção de alto nível, capazes de interferir positivamente na qualidade de vida e do trabalho dos motoristas comerciais de forma holística.

Esta resenha pertence ao grupo sobre:

Como têm sido cuidados os pacientes com doenças intestinais inflamatórias?

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

O impacto diário da COVID-19 na gastroenterologia

FABER, Vanila

MAGRO, Fernando; ABREU, Candida;  RAHIER, Jean-François. The daily impact of COVID-19 in gastroenterology. United European Gastroenterology Journal, v. 8, n. 5, p. 520–527, Mar 2020. DOI: 10.1177/2050640620920157 Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7268943/pdf/10.1177_2050640620920157.pdf

Pessoas com doenças inflamatórias intestinais (Inflammatory Bowel Diseases – IBD) muitas vezes necessitam utilizar fármacos que são imunossupressores para controlar as manifestações clínicas da sua enfermidade. Com isso, esses pacientes foram cogitados como sendo um possível grupo de risco para infecções pelo Coronavírus 2019.

O novo Coronavírus, intitulado SARS-CoV-2, possui a maior taxa de transmissão entre os Coronavírus, sendo sua via principal de contaminação o contato com gotículas respiratórias diretas (pessoa-pessoa), ou depositadas em objetos e/ou superfícies. Neste contexto, os procedimentos médicos, como as endoscopias, precisaram ter seus protocolos de realização, e de desinfecção, reavaliados. Passou-se a indicar as endoscopias para pacientes com IBD somente em casos extremamente necessários, com a finalidade de reduzir o risco de contaminação, não só para os pacientes, mas também para os profissionais envolvidos no procedimento endoscópico. Para isso, foi criada uma estratégia de perguntas e respostas, que por fim define o nível biológico de biossegurança a ser utilizado nos procedimentos endoscópicos.

Apesar de muitos pacientes com IBD utilizarem tratamento com fármacos imunossupressores, estes não se mostraram mais propensos a infecções graves pelo Coronavírus 2019. Entretanto, foi desenhada uma recomendação aos pacientes com IBD em uso de imunomoduladores, visando reduzir sua exposição à pandemia. Os atendimentos remotos (online) foram indicados a todos os pacientes, para que fosse feita uma triagem, bem como o acompanhamento desses pacientes por via remota, ficando indicada sua ida presencial ao médico somente se realmente necessário. Já as endoscopias foram indicadas somente quando estritamente necessárias, e ainda sim sob o cuidado da classificação de risco do paciente para o Coronavírus 2019.

Mesmo com todos os protocolos de recomendações feitas aos pacientes com IBD, principalmente para aqueles em uso de imunossupressores, fica claro que, do ponto de vista da saúde pública, a prioridade é reduzir a mortalidade da infecção pelo SARS-CoV-2. Para isto, faz-se necessário o desenvolvimento de diferentes abordagens de intervenção médica. Estas compreendem as terapias antivirais, as quais incluem fármacos com ação antiviral direta para o Coronavírus 2019, e também soro de pacientes que já tiveram a infecção pelo Coronavírus 2019 e se recuperaram, funcionando desta forma como uma imunidade passiva ao vírus. E compreendem também o desenvolvimento de vacinas capazes de evitar o aumento dos casos positivos e novas epidemias, protegendo desta maneira a população de forma geral contra o aumento e a incidência de novas infecções pelo Coronavírus 2019.

Esta resenha pertence ao grupo sobre:

Como a Inteligência Artificial pode ajudar a identificar pacientes com pneumonia causada pela COVID-19 ?

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Modelo de fusão de multi-vistas baseado em deep learning para rastreamento da pneumonia pelo novo coranavírus 2019: Um estudo multicêntrico

NACCACHE, Mônica

WU, X; et al. Deep learning-based multi-view fusion model for screening 2019 novel coronavirus pneumonia: A multicentre study. European Journal of Radiology, v. 128, p. 109041, Jul. 2020. DOI: 109041 Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0720048X20302308?via%3Dihub

O artigo apresenta um método baseado em aprendizagem-profunda (deep-learning) para identificação de pacientes com pneumonia causada por COVID-19, usando imagens de tomografia computadorizada (TC).

Resultados mostram que as imagens de TC têm grande potencial para a detecção de pneumonia causada por COVID-19. Porém, o processo é ainda lento devido à necessidade de análise manual de finas camadas de imagens (~ 300 por paciente). Dessa forma, métodos de inteligência artificial (IA) podem ser utilizados no sentido de minimizar o tempo de análise. Em especial, deep-learning tem se mostrado de grande aplicação na área médica, e seus resultados podem chegar a níveis equivalentes aos obtidos por um ser humano.

O trabalho visa testar um modelo de diagnóstico com métodos baseados em redes de deep-learning, usando imagens de TC do tórax de pacientes com pneumonia causada pela COVID-19. O estudo foi feito na China e usou dados de 495 pacientes de três hospitais diferentes. As imagens foram obtidas nas regiões pulmonares em vistas axial, coronal e sagital, e foi feito um pós-processamento para o teste e validação da rede.

Observou-se que as imagens de vistas múltiplas podem fornecer mais informações sem redundância. Assim, foi utilizado um modelo de fusão de multi-vistas, e usadas as três vistas (axial, coronal e sagital) para desenvolver o modelo para diagnóstico. O modelo foi implementado utilizando a linguagem de programação Python e baseado na estrutura Keras. O treinamento e teste da rede foram feitos usando o modelo de servidor TITAN XP, e a performance calculada na linguagem de programação R (desenvolvida para manipulação, análise e visualização de dados).

Os autores mostram que o modelo multi-vista apresenta melhor performance em relação ao de vista simples. Em geral, leva-se cerca de 10 minutos para examinar imagens de TC e identificar casos de COVID-19. Em contraste, menos de 5 segundos são necessários na comparação de um teste usando o modelo multi-vista. Observou-se também que o desempenho do modelo é melhor para o grupo de pessoas com mais de 60 anos, e do sexo feminino.

Os resultados obtidos vão de acordo com a literatura, mostrando que ferramentas de IA podem ser utilizadas de forma efetiva para melhoria da eficiência de diagnósticos, e redução da carga de trabalho dos profissionais envolvidos. No caso analisado, apesar do grau de sensibilidade e especificidade se mostraram baixos, as ferramentas de IA mostraram que podem ajudar a identificação de sinais típicos de pneumonia de COVID-19 em imagens de TC, inclusive alguns difíceis de serem identificados pelos radiologistas. Porém, observa-se a necessidade de aprimoramento do uso da ferramenta.

Esta resenha pertence ao grupo sobre:

Como a COVID-19 está associada a sequelas psiquiátricas?

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Ansiedade e depressão em sobreviventes da COVID-19: Papel dos preditores inflamatórios e clínicos

SCHEINKMAN, Lilian

MAZZA, M.G. et al. Anxiety and depression in COVID-19 survivors: Role of inflammatory and clinical predictors. Brain, Behavior, and Immunity, v. 89, p. 594-600, Jul. 2020. Doi 10.1016/j.bbi.2020.07.037 Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7390748/

Sabemos que processos infecciosos podem causar alterações do sistema imune e estas podem levar a alterações psicopatológicas tanto agudas como duradouras. Sequelas psiquiátricas já foram descritas após exposição ao coronavirus em epidemias anteriores como a SARS (Severe Acute Respiratory Syndrome) e a MERS (Middle East Respiratory Syndrome). Sobreviventes da SARS relataram sintomas psiquiátricos como Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT), depressão, transtorno de pânico e transtorno obsessivo-compulsivo em avaliações de seguimento de 1 a 50 meses.

Considera-se que os coronavirus poderiam induzir sequelas psicopatológicas através de infecção viral diretamente no sistema nervoso central ou indiretamente através da resposta imunológica. Estudos clínicos, post mortem, in vitro e também em animais têm demonstrado que os coronavirus são potencialmente neurotrópicos, podendo causar dano neuronal.  Além da possível infiltração cerebral, a tempestade de citocinas (cytokine storm) envolvida na resposta imune pode ainda causar sintomas neuropsiquiátricos por precipitar neuro-inflamação.

Levando em conta a evidência prévia a partir de epidemias de SARS e MERS e estudos preliminares em COVID, os autores estudaram a hipótese de que os sobreviventes de COVID-19 teriam um aumento na prevalência de condições psiquiátricas como Transtornos de humor, Transtornos de ansiedade, TEPT e insônia.

Foram rastreados 402 pacientes sobreviventes de COVID-19, atendidos no Hospital San Raffaele, em Milão, no período de 6 de abril a 9 de junho de 2020.  Os pacientes foram submetidos a avaliação clínica, eletrocardiograma, gasometria e análise hematológica (hemograma completo e PCR) e encaminhados para internação ou tratamento em residência, de acordo com a gravidade do quadro.

A avaliação psiquiátrica foi realizada por psiquiatra, através de entrevista clínica não estruturada na visita de seguimento, cerca de um mês (28 +- 15.7  dias ) após a alta hospitalar ou o atendimento no setor de Emergência.  Foram aplicados questionários de auto-avaliação de psicopatologia* englobando os sintomas de TEPT, depressão, ansiedade, sintomas obsessivo-compulsivos e insônia, e foram utilizados os pontos de corte recomendados na literatura para delimitação de patologia. Logo após a avaliação psiquiátrica, foi avaliada a saturação de oxigênio como medida de eficiência respiratória. Foram utilizados também os dados de prontuário clínico, dados eletrônicos e, quando necessário, informações de familiares. Dados sociodemográficos e clínicos foram coletados, incluindo idade, sexo, história psiquiátrica, duração da hospitalização e marcadores inflamatórios no início do quadro.

Os autores observaram que uma proporção considerável dos pacientes atingiu níveis patológicos nos sintomas das auto-avaliações: 55,7% estava na faixa clínica em ao menos uma dimensão de psicopatologia; 36% em duas dimensões, 26% em 3, e 10% em 4. A gravidade de sintomas depressivos incluiu também pacientes com ideação e planejamento suicida.

Mulheres e pacientes com história psiquiátrica prévia apresentaram maiores índices de psicopatologia em todas as dimensões, corroborando estudos anteriores e sugerindo que sexo feminino e história psiquiátrica prévia possam ser considerados fatores de risco para psicopatologia pós COVID-19.  Pacientes tratados ambulatorialmente apresentaram maior frequência de ansiedade e de alterações de sono e a duração da hospitalização apresentou correlação inversa com sintomas de TEPT, depressão, ansiedade e sintomatologia obsessivo-compulsiva. Os autores consideram que esse achado possa estar relacionado a menor apoio de cuidado em saúde nos pacientes em regime ambulatorial, o que poderia ter aumentado o isolamento social e a solidão típicas da pandemia de COVID-19, gerando maior psicopatologia após a remissão. Pacientes jovens apresentaram maiores índices de depressão e alterações de sono, em acordo com estudos anteriores sobre o impacto psicológico da pandemia de COVID-19 em pessoas mais jovens. Nem os marcadores inflamatórios iniciais nem o nível de saturação de oxigênio no seguimento apresentaram correlação com sintomas de ansiedade, depressão, insônia ou TEPT, mas houve tendência a correlação entre alguns marcadores inflamatórios iniciais e sintomas obsessivos-compulsivos no seguimento.

Nesse estudo, foram encontradas altas taxas de TEPT, depressão, ansiedade, insônia e sintomatologia obsessivo-compulsiva, em consonância com achados de estudos realizados em surtos anteriores de coronavirus.

Os autores ressaltam que as consequências psiquiátricas do SARS-CoV-2 podem ser causadas tanto pela resposta imune ao próprio vírus como pelos estressores psicológicos como: isolamento social; impacto psicológico de uma doença grave, pouco conhecida e potencialmente fatal;  receio de infectar os outros; e estigma.   Os autores apresentam, na discussão, possíveis vias através das quais os sistemas imunes e mecanismos psicopatológicos de doenças psiquiátricas possam interagir. 

Eles sugerem que a avaliação de psicopatologia em sobreviventes de COVID-19 seja realizada rotineiramente de forma a diagnosticar e tratar condições psiquiátricas iniciais, monitorando sua evolução e reduzindo as consequências que podem ser significativas nesses pacientes. Consideram ainda que esse acompanhamento poderá auxiliar na investigação de como a resposta imune-inflamatória poderia se traduzir em doenças psiquiátricas, o que aumentaria nosso conhecimento sobre a etiopatogenia das doenças mentais.

 

* Questionários utilizados no estudo: Impact of Events Scale-Revised (IES-R) (Creameret al., 2003), PTSD Checklist for DSM-5 (PCL-5) (Armour et al., 2016), Zung Self-Rating Depression Scale (ZSDS) (Zung, 1965), 13-item Beck’s Depression Inventory (BDI-13) (Beck and Steer, 1984), State-Trait Anxiety Inventory form Y (STAI-Y) (Vigneau and Cormier, 2008), Medical Outcomes Study Sleep Scale (MOS-SS) (Hays et al., 2005), Women’s Health Initiative Insomnia Rating Scale (WHIIRS) (Levine et al., 2003), and Obsessive-Compulsive Inventory (OCI) (Foa et al., 2002).

Esta resenha pertence ao grupo sobre:

Como desenvolver a competência informacional em saúde pode contribuir para aprimorar a prevenção de epidemias e a promoção de estilos de vida saudáveis?

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Competência informacional em saúde pública ante a emergência da pandemia por COVID-19

DUARTE, Rosália Maria

LAZCANO-PONCE, E.; ALPUCHE-ARANDA, C. Alfabetización en salud pública ante la emergencia de la pandemia por Covid-19 [Public health literacy in the face of the Covid-19 pandemic emergency]. Salud Publica Mex., v. 62, n. 3, p. 331-340, May-Jun 2020. Spanish. Doi: 10.21149/11408. Epub 2020 May 8. Disponível em https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32304371

Ensaio teórico destinado a subsidiar a alfabetização (competência informacional) em saúde, a partir da descrição analítica dos elementos que orientam as políticas públicas de prevenção e controle de epidemias, aplicadas no enfrentamento da pandemia da COVID-19. Os autores argumentam que a rápida disseminação, em tempo real, de informações falsas e de interpretações equivocadas acerca de informações científicas gerou problemas adicionais para o enfrentamento da pandemia da COVID-19. Para eles, a alfabetização em saúde pública pode ajudar a reduzir problemas desse tipo e pode contribuir para que cidadãos e comunidades se tornem aliados dos gestores das políticas na promoção da saúde e no combate a doenças, em especial, as epidemiológicas. Definem alfabetização em saúde como aquisição de conhecimentos, motivação e competências individuais para compreender as informações, “expressar opiniões e tomar decisões relacionadas com a promoção e preservação da saúde” (p.332). Essas competências possibilitariam às pessoas lidar com informações científicas e compreender as ações empreendidas em situações desse tipo. Partindo dessa perspectiva, o ensaio atualiza conhecimentos relacionados à COVID-19, tendo por base os elementos que configuraram as políticas de enfrentamento da doença, e sistematiza conceitos e procedimentos com vistas a oferecer subsídios para a alfabetização em saúde.  

Os autores atualizam os conhecimentos produzidos acerca da doença no âmbito das ações relacionadas à prevenção e controle da contaminação destacando: a) inteligência epidemiológica; b) medidas para mitigação da propagação da epidemia; c) medidas de supressão da transmissão; d) fortalecimento da capacidade de atendimento dos sistemas de saúde; e) desenvolvimento de agentes terapêuticos e vacinas. Com relação às ações de vigilância, o ensaio destaca os conceitos de vigilância epidemiológica, vigilância sentinela, período de incubação, período de latência, contagiosidade, risco de mortalidade por enfermidades transmissíveis, risco de mortalidade por COVID-19 e taxa de letalidade. Ao discorrer sobre cada uma dessas medidas de prevenção, os autores destacam os novos conhecimentos produzidos sobre o novo coronavírus no âmbito da implementação de cada uma delas. No que diz respeito às ações de diagnóstico, são descritos e analisados as medidas e os conhecimentos gerados a partir de provas moleculares, provas sorológicas e detecção de antígenos. Na apresentação dos conceitos relacionados à mitigação da doença, os autores destacam evidências científicas associadas à mitigação comunitária, tais como supressão da transmissão, distanciamento social, quarentena e uso de máscaras.

Nas conclusões, ressaltam que a pandemia da COVID-19 mostrou que o enfrentamento de eventos epidemiológicos dessa magnitude e gravidade exige não somente políticas de saúde pública ancoradas em evidências científicas como também a alfabetização em saúde dos cidadãos e das comunidades, pois esta permitiria a adoção de medidas de prevenção de longo prazo, a promoção de estilos de vida saudáveis e a busca por soluções conjuntas.

Esta resenha pertence ao grupo sobre:

Como os profissionais de educação e de saúde devem atuar para cuidar da proteção da privacidade das informações dos alunos nas escolas?

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Compartilhamento de informação no ambiente escolar durante uma emergência de saúde pública

BERMUDES, Priscilla Mara

BAKER, Christina; GALEMORE, Cynthia A.; LOWREY, Kerri McGowan. Information sharing in the school setting during a public health emergency. NASN School Nurse, v. 35, n. 4, p. 198-202, Jul. 2020. DOI: 10.1177/1942602X20925031. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/1942602X20925031

Este artigo tem como objetivo revisar brevemente as leis de privacidade no que se refere às escolas, bem como fornecer uma visão geral das recentes isenções para auxiliar enfermeiras escolares, administradores escolares, profissionais de saúde e agências de saúde pública, em relação à proteção da saúde e segurança dos estudantes durante o atual cenário de pandemia.

Trata-se de um estudo exploratório que destaca as leis federais sobre a proteção da privacidade das informações de identificação pessoal dos registros educacionais dos alunos, e que se aplica a todas as entidades educacionais que recebem financiamento de qualquer programa administrado pelo Departamento de Educação dos Estados Unidos.

Essas leis de privacidade estabelecem regras que orientam as enfermeiras escolares no compartilhamento de informações dos alunos, mesmo em tempos de emergências de saúde pública. 

É ressaltado que distritos escolares maiores geralmente têm uma posição dedicada de oficial de informação pública (PIO), e as enfermeiras escolares devem ter conhecimento sobre as políticas e práticas escolares relacionadas a falar com a mídia; conectando as pesquisas desta última com o PIO da escola, gestão de doenças transmissíveis e a cadeia de comando, para colocar informações de saúde em cartas, boletins informativos e em sites. 

Por fim, os autores preconizam que parte da preparação para emergências é ter um plano de comunicação em vigor para pandemias, como o que está acontecendo com a COVID-19, incluindo um plano para compartilhar informações de saúde permitidas. A COVID-19 lançou luz sobre a necessidade de orientação no caso de emergências de saúde pública e, certamente, haverá outras emergências semelhantes e surtos de doenças infecciosas no futuro. 

Os autores também recomendam ser prudente os enfermeiros escolares entenderem os requisitos de privacidade e compartilhamento de informações, bem como qualquer orientação de isenção de leis e regulamentos fornecidos durante emergências de saúde. Enfermeiras escolares devem permanecer conectadas com as autoridades de saúde pública em suas comunidades e seus condados, mas também com suas organizações profissionais, para orientação oportuna voltada para proteger a saúde e a segurança de seus alunos e da comunidade escolar.

Esta resenha pertence ao grupo sobre:

Como a COVID-19 pode afetar o sistema nervoso dos pacientes?

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

COVID-19: Uma Ameaça Global ao Sistema Nervoso

D'AVILA, Joana

KORALNIK, I.J.;  TYLER, K.L. COVID-19: A Global Threat to the Nervous System. Annals of Neurology, v. 88, n. 1, p. 1–11, Jul. 2020. Doi:10.1002/ana.25807. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32506549/

Inicialmente considerada uma doença do sistema respiratório, atualmente está claro que a COVID-19 afeta múltiplos órgãos, incluindo o sistema nervoso. É crescente o número de manifestações neurológicas da infecção por SARS-CoV-2, que pode afetar tanto o sistema nervoso central (SNC), como encefalopatias e acidentes vasculares, quanto o sistema nervoso periférico, como disfunções do paladar e olfato, a síndrome de Guillain-Barre, e suas variantes. Diversos mecanismos podem explicar as manifestações neurológicas da COVID-19, incluindo o estado hiperinflamatório sistêmico e a hipercoagulação disseminada, a infecção direta do SNC (raro) e processos imunológicos pós-infecciosos.

Os estudos disponíveis até o momento mostram que a encefalopatia é a manifestação neurológica mais comum na COVID-19, mais presente em pacientes graves, com comorbidades e disfunções de múltiplos órgãos – hipoxemia, disfunção hepática e renal – e com elevação de marcadores de inflamação sistêmica. Entretanto, nestes pacientes o vírus SARS-CoV-2 não foi detectado no líquido cefalorraquidiano. A segunda manifestação neurológica mais comum da COVID-19 é o acidente vascular cerebral (AVC). Os primeiros casos de AVC eram pacientes mais velhos, que já tinham feito AVC isquêmico anteriormente, tinham comorbidades e marcadores inflamatórios elevados. Entretanto, relatos mais recentes descrevem episódios isquêmicos em pacientes mais jovens. Curiosamente, alguns desses pacientes não apresentavam fatores de risco clássicos para AVC, e alguns nem mesmo tinham desenvolvido os sintomas graves da COVID-19 antes do AVC. Porém, todos os pacientes apresentaram estado de hipercoagulabilidade e coagulação intravascular disseminada.

Há muitos casos de pacientes com características inflamatórias compatíveis com encefalite viral associada a COVID-19, como infiltrado de leucócitos e aumento de proteínas no líquido cefalorraquidiano, mas sem detecção da presença do vírus no SNC. Os estudos sugerem que a encefalite na COVID-19 pode ocorrer sem a infecção direta do SNC e apontam para mecanismos inflamatórios mediados pela resposta imune tardia. Complicações pós-infecciosas, mediadas pela resposta imunológica ao SARS-CoV-2, já foram reportadas, sendo a mais comum a síndrome de Guillain-Barre. Casos raros de encefalopatia necrosante aguda e encefalomielite disseminada aguda também já foram reportados na COVID-19.

Mas sem dúvida, o distúrbio neurológico mais comuns na COVID-19 é a perda de olfato e de paladar, que parece ser específico da infecção por SARS-CoV-2. Entretanto, o mecanismo deste distúrbio transitório ainda não está bem estabelecido.

Esta resenha pertence ao grupo sobre:

As ondas respiratórias de pressão, que induzem oscilações no pulso arterial, podem indicar mais precocemente a necessidade de intubação traqueal?

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Deveríamos monitorar Pulso Paradoxal via Oximetria de Pulso em Pacientes com Insuficiência Respiratória Aguda por COVID-19?

MONTEIRO, Elisabeth Costa

MICHARD, Frederic; SHELLEY, Kirk. Should We Monitor Pulsus Paradoxus via Pulse Oximetry in COVID-19 Patients with Acute Respiratory Failure? Am J Respir Crit Care Med. v. 202, n.5, p. 770, Sep. 2020. DOI: 10.1164/rccm.202004-1504LE. Disponível em: https://www.atsjournals.org/doi/full/10.1164/rccm.202004-1504LE

Discute-se uma proposta da literatura que aborda a determinação precoce de insucesso da ventilação não-invasiva (VNI), evitando atrasos na intubação traqueal. Associando às demandas para COVID-19, sugere-se abordagem alternativa à manometria esofágica, utilizando a forma de onda do registro da oximetria de pulso para previsão de insucesso da VNI.

Na literatura propõe-se a análise das oscilações respiratórias da pressão esofágica (ΔPes), para avaliação do esforço inspiratório na insuficiência respiratória, como indicador precoce de insucesso da ventilação não-invasiva (VNI) e da necessidade de intubação traqueal. Reconhecendo sua aplicação na abordagem de pacientes com COVID-19 e considerando as potenciais limitações clínicas associadas à manometria esofágica, propõe-se uma abordagem alternativa para avaliação do esforço respiratório, baseada na análise da forma de onda do registro da oximetria de pulso.

A identificação tardia de insucesso da VNI e da necessidade de intubação traqueal resulta em alterações pulmonares que vêm sendo associadas à acelerada deterioração da função pulmonar em pacientes com COVID-19. Embora a avaliação do esforço respiratório por meio da ΔPes seja um indicador precoce e robusto de insucesso da VNI, a abordagem pode ser pouco tolerada em alguns pacientes. Por outro lado, as alterações respiratórias cíclicas no pulso arterial também determinam alterações proporcionais na forma de onda de oximetria de pulso, uma modalidade de medição rotineiramente empregada para monitoramento da saturação de oxigênio de pacientes internados com COVID-19.

As oscilações respiratórias da pressão pleural induzem oscilações no pulso arterial, como no Pulso Paradoxal, observado em distúrbios cardíacos e respiratórios, como na crise da asma brônquica. Em pacientes com insuficiência respiratória aguda, a magnitude dessas oscilações da forma de onda da oximetria de pulso, conhecida como índice de variabilidade pletismográfica (PVI-Pleth Variability Index), depende quase exclusivamente da magnitude das alterações na pressão pleural, associadas ao esforço respiratório. Assim, considerando ainda que PVI é rotineiramente empregada na abordagem hospitalar, apresenta potencial aplicação para avaliação do esforço inspiratório durante a insuficiência respiratória aguda, relacionada com pneumonia bacteriana ou viral, como COVID-19.

Propõe-se o monitoramento do índice de variabilidade pletismográfica como estratégia de fácil acesso e praticidade para avaliação do esforço inspiratório em pacientes em ventilação não-invasiva, contribuindo como indicador precoce da necessidade de intubação traqueal. O emprego do oxímetro de pulso para medição de PVI, com potencial relevância na abordagem de pacientes internados com COVID-19, é proposto como alternativa à manometria esofágica, recentemente descrita na literatura.

Os estudos na literatura sugerem que a falta de alívio do esforço inspiratório nas primeiras 2 horas de ventilação não-invasiva, quantificado pela ΔPes, que não se reduza em valor > 10 cm H2O, é um preditor precoce e preciso de falha da VNI após 24 horas, requerendo intubação traqueal. A monitorização da PVI pode representar uma alternativa prática à quantificação da ΔPes. Entretanto, ainda são necessários estudos para confirmar esta hipótese e determinar o valor de corte da PVI que equivaleria ao valor discriminatório de até 10 cm H2O de redução da ΔPes, como indicador precoce para intubação traqueal.

Esta resenha pertence ao grupo sobre:

Como se apresenta e evolui a redução do olfato nos pacientes com COVID-19 ?

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Avaliação olfativa objetiva de perda de olfato auto-relatada numa série de casos de 86 pacientes com COVID-19

FAULHABER, Maria Cristina Brito

LECHIEN, J.R.; et al. Objective olfactory evaluation of self-reported loss of smell in a case series of 86 COVID-19 patients. Head & Neck., v. 42, n. 7, p. 1583-1590, Jun. 2020 Doi: 10.1002/hed.26279 Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32437033/

O objetivo do artigo é investigar disfunção olfatória (DO), através de testes psicofísicos e de questionários respondidos online, em indivíduos que tiveram COVID-19. Pessoas com DO diminuem sua ingestão alimentar, são mais propensas a acidentes pessoais e de trabalho (ex.: não percepção de vazamento de gás, demora na identificação de focos de incêndio, etc.).

Desde o início da pandemia mais de 66% dos pacientes na Europa e nos Estados Unidos relataram algum grau de alteração do olfato.

Foram incluídos neste estudo apenas aqueles que tiveram o teste RT-PCR positivo ou a sorologia IgG ou IgM positivos, sendo excluídos todos que apresentavam antecedente de doença e/ou cirurgia nasal, DO antes da pandemia, rinossinusite crônica e trauma craniano ou cervical.

As variáveis estudadas incluíram sexo, idade, etnia, comorbidades do paciente e uso de medicamentos.

Os sintomas foram coletados e graduados (de 0 = nenhum sintoma a 4 = sintoma grave): tosse, dor no peito, dispneia, dor de cabeça, febre, fadiga, perda de apetite, mialgia, artralgia, náusea, vômito, diarreia, expectoração produtiva, manifestações cutâneas (urticária), conjuntivite, obstrução nasal, gotejamento pós-nasal, rinorréia, dor de garganta, dor facial, dor de ouvido, disfagia, disfonia e disgeusia, esta última definida como diminuição do paladar para salgado, doce, amargo e azedo.

O impacto da COVID-19 nos sintomas nasossinusais foi avaliado através do SNOT-22 (22 item sinonasal outcome test), questionário usado na avaliação da qualidade de vida dos pacientes com rinossinusite.

Para avaliação psicofísica olfativa foi usado o teste Sniffin’ Sticks, teste objetivo validado de DO que permite a avaliação olfativa do paciente por meio de 3 subtestes: teste de limiar, teste de identificação e teste de discriminação de odores. De acordo com os resultados os pacientes foram classificados como normósmico (olfato normal, pontuação entre 12 e 16), hipósmico (olfato diminuído, pontuação entre 9 e 11) ou anósmico (sem olfato, pontuação 8 ou menos). 

Um total de 86 pacientes concluíram o estudo, 65,1% mulheres, idade média entre 42 ± 12 anos, sendo as patologias mais comuns refluxo, asma e rinite alérgica. Os sintomas gerais mais comuns apresentados durante o curso clínico foram: fadiga (72,9%), dor de cabeça (60%), tosse (48,6%) e mialgia (42,9%). Os sintomas otorrinolaringológicos mais comuns foram obstrução nasal (58,6%), gotejamento pós nasal (48,6%) e disgeusia (47,1%).

A pontuação média do teste Sniffin’ Sticks foi de 9 ± 4. Entre os 86 pacientes, 41 (48%) foram anósmicos e 12 (14%) hipósmicos. Curiosamente, estes 62% não apresentavam sintomas de inflamação nasal, reforçando a necessidade de futuros estudos para esclarecer os mecanismos fisiopatológicos subjacentes ao desenvolvimento de anosmia em COVID-19. Um total de 33 (38%) de pacientes que relataram perda do olfato foram objetivamente normósmicos. No grupo anósmico, 26 (78,8%) relataram perda total do olfato. As durações médias de DO no momento das avaliações foram 17 ± 11 para pacientes anósmicos e 18 ± 11 dias para hipósmicos. A duração média de DO de pacientes normósmicos foi de 17 ± 11 dias.

Um achado importante deste estudo é o fato da DO estar relacionada à inflamação da mucosa, levando à obstrução, rinorréia e gotejamento pós nasal. Em alguns casos a DO parece estar relacionada a outros mecanismos, como uma propagação neural do vírus para o neuroepitélio e o bulbo olfatório. Já foi demonstrado que o coronavírus pode ser detectado na secreção nasal de pacientes com DO.

Esta resenha pertence ao grupo sobre: