Evidências Covid 19

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Que desafios e oportunidades a pandemia tem provocado para o desenvolvimento da telessaúde no Brasil?

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Desafios e oportunidades para telessaúde durante a pandemia de COVID-19: ideias sobre espaços e iniciativas no contexto brasileiro

DIAS, Elaine

CAETANO, R. ; et al. Challenges and opportunities for telehealth during the COVID-19 pandemic: ideas on spaces and initiatives in the Brazilian context. Desafios e oportunidades para telessaúde em tempos da pandemia pela COVID-19: uma reflexão sobre os espaços e iniciativas no contexto brasileiro. Cad Saude Publica, v. 36, n. 5, p. e00088920, Jun. 2020. DOI:10.1590/0102-311×00088920 Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32490913/

A COVID-19 criou enormes desafios para os sistemas de saúde em todo o mundo, com o rápido crescimento do número de mortes e pacientes críticos necessitando de suporte ventilatório. Métodos alternativos para controlar a propagação da doença, como isolamento social, medidas extremas de quarentena e rastreamento de contato, têm sido usados ​​em todo o mundo. No entanto, essas medidas podem não ser totalmente eficazes no combate à COVID-19, em sintonia com os preparativos nacionais necessários para atender às novas demandas de atendimento ao paciente. Uma ampla gama de tecnologias digitais pode ser usada para aprimorar essas estratégias de saúde pública, e a pandemia gerou um uso cada vez maior da telessaúde.

Esse campo cresceu consideravelmente no Brasil nos últimos anos. Ainda assim, apesar da intensa proliferação de recomendações e regras, até a atual pandemia o país ainda carecia de um marco regulatório totalmente consolidado. O surgimento da COVID-19 marca um momento chave na expansão dos aplicativos e no uso da telessaúde para melhorar a resposta do sistema de saúde à crise atual.

Este estudo tem como objetivo discutir a contribuição da telessaúde no combate à COVID-19 e as recentes iniciativas desencadeadas no Brasil como oportunidades para a consolidação da telemedicina e o aprimoramento do Sistema Único de Saúde Brasileiro (SUS).

Historicamente, a telemedicina concentrava-se na aplicação das interações tradicionais médico-paciente (e médico-médico), aprimoradas por vídeo bidirecional e comunicações de áudio. Posteriormente, o uso das tecnologias de informação e comunicação (TIC) foi ampliado para serviços de apoio, capacitação e atividades de informação em saúde para profissionais de saúde multidisciplinares e pacientes, configurando um campo ampliado denominado “telessaúde”.

O estudo relata algumas dificuldades para a implementação rápida e extensa da telemedicina, particularmente relevante na pandemia da COVID-19, tais como: requisitos de licenciamento de ativação e pagamento para prestadores; seguro contra erros médicos, aplicados à telemedicina; conformidade com os regulamentos sobre sigilo e segurança de dados; e o estabelecimento de protocolos de gestão de exames laboratoriais, prescrições e agendamento. No que se refere especificamente à epidemia de COVID-19, a literatura sinaliza desafios particulares que também se aplicam ao uso da telemedicina no Brasil na perspectiva do SUS.

A utilização das diversas possibilidades da telessaúde exploradas neste artigo envolve investimentos em infraestrutura, incluindo informações e padrões de TIC em saúde capazes de garantir interoperabilidade, sistemas, serviços, recursos humanos e modelos organizacionais. Esses investimentos não se limitam a – ou são resolvidos apenas com – recursos financeiros, mas demandam tempo, principalmente em contextos tão diversos como os existentes no Brasil, o que pode ser uma limitação para o aproveitamento de todo o seu potencial.

A telessaúde é um componente crítico para aumentar a capacidade de combate ao coronavírus e, ao mesmo tempo, manter os serviços de saúde funcionando e mais seguros. O uso imediato e a aplicação bem-sucedida da telessaúde para lidar com um desafio global provavelmente aumentará a aceitação pública e governamental de tais tecnologias para outras áreas da saúde no futuro, incluindo doenças crônicas não transmissíveis, tanto no Brasil quanto em outros lugares do mundo.

Os autores concluem que, embora ainda haja muito a ser construído e operacionalizado no Brasil para a telessaúde, é possível imaginar que esse campo fortalecerá ainda mais o Sistema Único e Universal de Saúde do Brasil.

Quais os desafios dos pacientes em relação ao uso de telessaúde na pandemia?

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Alfabetização tecnológica (healthtech literacy) como uma barreira à telessaúde durante a COVID-19

MARTINHO, Alfredo

TRIANA, Austin J. ; et al. Technology Literacy as a Barrier to Telehealth During COVID-19. Telemed J E Health, May 2020. [publicado antes da impressão] Doi: 10.1089/tmj.2020.0155. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32429770/

Durante a pandemia em curso da COVID-19, ocorreram muitas mudanças fundamentais no sistema de saúde, uma das quais foi a rápida adoção da telessaúde (telemedicina).

Nos Estados Unidos, a utilização da telessaúde, apesar de ampla capacidade tecnológica, estava limitada em muitas áreas, pela regulamentação diferente em cada estado e por ser baixo o reembolso pago pelas seguradoras.

O distanciamento social foi necessário para proteção dos pacientes, modificando todo fluxo de trabalho tradicional na assistência à saúde.

Nesse artigo, uma instituição de saúde teve o número de visitas diárias aumentadas mais de 1000 vezes em poucas semanas.

Tanto os médicos quanto os pacientes foram submetidos a uma reorganização, que incluiu treinamentos dos médicos e identificação das diversas barreiras de acesso encontradas pelos pacientes.

As dificuldades de navegação, o acesso ao sistema virtual de atendimento, a conexão estável, todos esses fatores necessitaram de uma visão em larga escala para encaminhar soluções.

Foi efetuado um processo sistemático de recrutamento e apoio de jovens voluntários estudantes de medicina, treinados, que puderam oferecer um suporte operacional (para configuração e testes com os dispositivos), o que foi fundamental para encontrar as soluções. Dessa forma, um total de 135 estudantes de medicina conseguiu ajudar mais de 5000 pacientes.

Ao longo do caminho, vimos evoluir a oferta de uma ampla gama de confortos ao paciente com a tecnologia, avançando nossa compreensão da alfabetização tecnológica, não importando se eram pacientes já com uma experiência prévia ou sem nenhuma alfabetização de natureza tecnológica.

Além da própria tecnologia, os pacientes precisam saber o que esperar de suas consultas em telessaúde, devendo esses serem comunicados previamente sobre essas expectativas, além da combinação de um local privado apropriado para teleconsulta.

Estando o paciente no ambiente em que vive, é uma oportunidade de contextualizar suas experiências e utilizar melhor o modelo biopsicossocial que poderá ser oferecido.

Mesmo os estudantes de medicina, que cresceram imersos em tecnologia, viram a complexidade que é ter que ensinar a outras pessoas a utilizar essa tecnologia (smartphones, aplicativos, navegação na web) e as diferentes lacunas tecnológicas em várias populações de pacientes.

 Fora do contexto do atendimento direto ao paciente, a ampla adoção da telessaúde tem o potencial de melhorar a qualidade de vida e os resultados de saúde por meio de sinergias adicionais, embora muitos idosos percebam que os benefícios da tecnologia incluem as barreiras comuns como questões de autoeficácia, custo e privacidade.

Pesquisas anteriores mostraram que a adoção de tecnologia pode ser melhorada através da educação e, na medida em que os pacientes se sintam capacitados, podem exercer com desenvoltura o atendimento às suas demandas.

A melhoria permanente nos regulamentos e nas coberturas dos seguros refletirá na melhoria do acesso, abordando questões como distância, mobilidade e preocupações com a saúde.

Outros fatores, como o licenciamento além das fronteiras estaduais, continuam constituindo uma grande questão que pode afetar drasticamente o acesso de muitos pacientes.

A transição para a telessaúde requer tempo, paciência e recursos, um investimento crucial para os pacientes que correm o risco de serem deixados para trás.

Como a pandemia pode estimular a telessaúde e quais os desafios?

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

COVID-19 e Telessaúde: uma janela de oportunidade e seus desafios

MARTINHO, Alfredo

Nittas, Vasileiosa; von Wyl, Viktorab. COVID-19 and telehealth: a window of opportunity and its challenges. Swiss Med Wkly, v. 150, p. w20284, may 2020.  DOI: 10.4414/smw.2020.20284. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/32400882

Artigo publicado em um semanário médico suíço, traz um ponto de vista dos autores sobre a utilização da telessaúde durante a rápida disseminação da pandemia do Sars CoV-2 forçando uma rápida desaceleração, sem precedentes, no atendimento médico tradicional. A necessidade de distanciamento físico abriu uma janela de oportunidade para uma busca de soluções de telessaúde mais amplas, podendo ter o potencial de melhorar o uso dessa tecnologia, fornecendo cuidados remotos fora dos contextos tradicionais após a pandemia.

A Suíça, comparada a outros países europeus, oferece um sistema de telessaúde relativamente maduro, calculando-se em aproximadamente 2.5 milhões de consultas anuais sendo, porém, limitada a grandes provedores e mesmo assim bastante estagnada.

Isso vem mudando após a pandemia, gerando um impulso para os fornecedores e advogados de telessaúde, permitindo a eles proverem o valor direto dos mesmos produtos que há muito tentam estabelecer.

De fato, a implantação da telessaúde durante essa crise pode ser múltipla. A tele-triagem permite a pré-triagem remota de pacientes potencialmente infectados, eliminando os riscos desnecessários de transmissão. Usando Chatbot  orientados por inteligência artificial, como o projeto suíço-italiano COVID-Guide, pacientes sintomáticos podem rapidamente autoavaliar seu estado de saúde e receber recomendações sobre como proceder.

Embora a COVID-19 provavelmente aumente a exposição à telessaúde, a disposição a longo prazo de usar soluções telemédicas depende em grande parte da abordagem de algumas das barreiras que os profissionais de saúde enfrentam.

Os médicos suíços consideram que alguns dos principais obstáculos à digitalização em saúde são: 1) a falta de interoperabilidade com seus próprios sistemas; 2) preocupações de segurança e responsabilidade; 3) a representação inadequada de serviços digitais nas tarifas de reembolso; bem como 4) preocupações com muito ou pouco trabalho; sendo que cada um desses obstáculos pode vir a ser melhor encaminhado com soluções adequadas.

No lado do paciente, dois desafios remanescentes, e ainda não abordados adequadamente, estão enraizados na divisão digital e na desconfiança.

A integração da telemedicina na prática rotineira exige alterações substanciais nos fluxos de trabalho e infraestruturas estabelecidos, que apresentam demandas desestimulantes de tempo, recursos e flexibilidade. Os sistemas de saúde são complexos e dinâmicos, com adaptações que levam tempo e exigem paciência e motivação. Todos esses elementos podem representar importantes barreiras para a adoção de novas tecnologias, incluindo a telessaúde.

Desenvolvedores, advogados e formuladores de políticas precisam abordar as preocupações e incertezas dos profissionais de saúde.

Educação e conscientização são ferramentas simples, mas poderosas, especialmente para aqueles menos familiarizados com a tecnologia.

O acesso ao software telemédico intuitivo deve ser acompanhado de orientações simples sobre o uso adequado e informações transparentes sobre privacidade e segurança.

Desafios devem ser enfrentados de maneira oportuna e proativa, com a educação de pacientes e médicos sobre o uso seguro de ferramentas de comunicação digital e sistemas de videoconferência em seu cerne.

Como os desafios e as oportunidades de cuidado à saúde na COVID-19 produziram inovação em telemedicina?

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

A pandemia COVID-19 e a rápida implementação de telemedicina para adolescente e jovem adulto: desafios e oportunidades para inovação

MARTINHO, Alfredo

BARNEY, Angela; et al. The COVID-19 Pandemic and Rapid Implementation of Adolescent and Young Adult Telemedicine: Challenges and Opportunities for Innovation. Journal of Adolescent Health, p.1-8, may 2020. DOI: 10.1016/j.jadohealth.2020.05.006. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/32410810

O artigo trata da rápida implementação da telemedicina em resposta à pandemia, que foi realizada numa clínica de adolescentes e adultos jovens vinculada à Universidade da California, São Francisco (UCSF). Até o presente, não existiam diretrizes práticas específicas. Todos os colaboradores se mobilizaram para solucionar as barreiras e os problemas logísticos decorrentes dessa implementação. No atendimento, foram excluídas as queixas agudas de saúde para avaliação de COVID-19.

A pandemia do coronavírus estimulou a utilização de telemedicina permitindo a continuidade da assistência, evitando a exposição presencial. Toda coordenação entre os prestadores de serviço foi treinada para usar o Zoom Video, ferramenta audiovisual. Foram criados novos protocolos de triagem remota, agendamento e check in de pacientes. Novos fluxos de trabalho foram desenhados pela equipe administrativa para acesso aos serviços de registro eletrônico dos pacientes, que, por envolver menores, necessitou autorizações por escrito. As duas primeiras semanas da intervenção concentraram-se sobre como enfrentar desafios logísticos. Na segunda semana, prestadores começaram a identificar desafios e lições aprendidas em telemedicina para cuidados gerais de saúde de adolescentes.

Conseguiram com esse atendimento manter o número de visitas no mês comparável ao ano anterior, tendo a clínica faturado, em março de 2020, praticamente o mesmo faturado em março de 2019, mas, devido a atrasos, ainda não puderam relatar a receita gerada em março de 2020.

Diante de inúmeras barreiras, foram encaminhadas soluções criativas em dimensões como confidencialidade e todos os desafios específicos em cada tipo de atendimento, com elaboração de diretrizes clínicas que permitiram que a comunicação bidirecional entre os prestadores e os pacientes tivessem eficácia, mesmo sem assistência de dispositivos de exames.

Privacidade e confidencialidade foram desafios, dado à incapacidade de estabelecer um ambiente silencioso e privado para o paciente. Soluções que incentivaram os pacientes a usarem fones de ouvido e uso da função de bate-papo com zoom, permitindo que eles digitassem respostas a perguntas, limitando a divulgação aos membros da família, minimizaram tais problemas.

Foram encaminhadas soluções específicas para cada um dos principais domínios clínicos.

Na saúde mental, os transtornos do humor e a manutenção de medicamentos para hiperatividade foram facilmente gerenciados via telemedicina.

Na saúde reprodutiva, houve limitações aos exames físicos, porém, a telemedicina foi muito efetiva nos aconselhamentos sobre contracepção.

Nos distúrbios alimentares, como requerem um monitoramento de peso, sinais vitais, histórico alimentar, será preciso refinar um protocolo para os membros da família calibrarem em casa escalas de peso, etc.

Pesquisas futuras serão necessárias para entender a segurança, eficácia e aceitabilidade de telemedicina para alguns distúrbios específicos.

Esse trabalho, com pacientes adolescentes e adultos jovens, demonstrou que a telemedicina enfrentou desafios que passaram pela aceitação cultural em toda a cadeia de assistência, e também identificou barreiras e busca de soluções criativas para: confidencialidade dos dados, privacidade, desenvolvimento de diretrizes clínicas, aperfeiçoamento de monitorização remota.

A oportunidade de se levantarem problemas e suas respectivas soluções, que devem ser comuns a outras áreas da assistência, através de resultados comparativos cruzados a outras clínicas que provavelmente foram suportadas pela telemedicina, é uma lacuna a ser preenchida em observações futuras.