Evidências Covid 19

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Como a confiança na ciência pode estar relacionada com crenças em teorias conspiratórias?

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Desinformação sobre COVID-19: evidência de perfis latentes diferenciais e uma forte associação com confiança na ciência

COTRIM JUNIOR, Dorival Fagundes

AGLEY, J.; XIAO, Y. Misinformation about COVID-19: evidence for differential latent profiles and a strong association with trust in science. BMC Public Health., v. 21, n. 1, p. 89, Jan. 2021. Doi: 10.1186/s12889-020-10103-x. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/33413219/

O artigo objetivou analisar, a partir de uma pesquisa transversal realizada com adultos norte-americanos, a crença em teorias conspiratórias a respeito da COVID-19 (transmissão do vírus por 5G, conspiração da vacina de Bill Gates, desenvolvimento laboratorial do vírus, restrições de liberdade e científica). 660 pessoas participaram da pesquisa, sendo todas questionadas sobre a credibilidade das cinco narrativas selecionadas, orientação política, compromisso religioso, confiança na ciência e itens sociodemográficos. Emergiram quatro perfis distintos de crença e uma das principais conclusões é de que a crença na narrativa que reflete o consenso científico pode não ser mutuamente excludente da crença em desinformação ou em conspirações.

A introdução foi dividida em quatro subitens. Inicialmente contextualizaram a pandemia, os esforços científicos para a divulgação das pesquisas relacionadas e a percepção da comunidade de pesquisadores a respeito da disseminação de desinformação, teorias conspiratórias e informações não verificadas sobre a COVID-19.

Para investigar o problema, identificaram perfis de crenças sobre as narrativas da COVID-19, a partir de Análise de Perfil Latente (LPA), e elencaram as duas hipóteses: (i) há perfis distintos de crenças nos indivíduos em diferentes narrativas relativas à COVID-19; e (ii) a confiança na ciência é menor entre os subgrupos endossadores da desinformação ou conspiração, mesmo após o controle das características sociodemográficas, de orientação política e religiosa.

Quanto aos métodos, a amostra foi de 660 usuários do mTurk dos Estados Unidos com 18 anos ou mais. Foram solicitadas as informações supramencionadas e a avaliação da credibilidade de cada narrativa foi feita a partir da escala tipo Likert, de 1 a 7 (extremamente inacreditável para extremamente confiável), no total de 21 questões. A análise estatística foi realizada em quatro etapas.

Os “Resultados” indicaram uma maior prevalência do sexo masculino (61,82%), de brancos (60,45%), idade média de 24,8 anos e 50,83% graduado. As pontuações médias de orientação política, compromisso religioso e confiança na ciência foram, respectivamente, 4,82, 4,82 e 3,65. Dentre os perfis de crenças em narrativas tivemos que o Perfil 1 (463 pessoas) geralmente acreditava na narrativa científica e tendia a não acreditar em outras. Foram os que menos acreditaram na narrativa 5G e os que mais credibilizaram a narrativa zoonótica para a origem da COVID-19.

O perfil 2 (54 pessoas) considerou todas as declarações altamente plausíveis; o perfil 3 (77 pessoas) relatou credibilidade de baixa a moderada para todas as quatro narrativas e a menor pontuação para a narrativa zoonótica; e o perfil 4 (66) apresentou credibilidade razoavelmente alta para a maioria das narrativas, diferindo-se do perfil 2 por indicar menos plausibilidade na narrativa 5G.

Na “Discussão” foi identificado que a confiança na ciência era menor entre os grupos que relataram alta credibilidade para informações incorretas sobre a COVID-19, o que foi parcialmente suportado pelos resultados.

A pesquisa confirmou outros achados, como o elevado índice de pessoas nos Estados Unidos que acreditam em pelo menos uma teoria da conspiração. Verificou-se ainda que as pessoas céticas em relação à desinformação tendem a acreditar na ciência, que a neutralidade sobre a credibilidade de narrativas mal-informadas não necessariamente se traduz em endosso à científica e que há grupos latentes para as quais a crença na ciência não mutuamente exclui a crença na desinformação.

A crença na ciência parece estar associada a uma menor probabilidade de expressar um padrão de crença endossador de narrativas definitivas ou provavelmente mal-informadas. Ou seja, não é necessariamente irracional para uma pessoa não inserida na pesquisa científica relatar nível mais baixo de confiança na ciência com base na ideia de que certas teorias estão erradas, foram fraudulentas ou estão em progresso.

A pesquisa sugere que construir sistematicamente a confiança na ciência pode ser uma maneira eficaz de proteger a população contra informações incorretas, mostrando como a ciência funciona e a sua confiabilidade.

Dentre as limitações apontadas estão: a irrepresentatividade nacional dos dados, possibilidade de o estudo estar sujeito a viés de variável omitida, e impossibilidade de afirmar qualquer causalidade.

A conclusão sugere que acreditar em desinformação sobre COVID-19 pode não ser mutuamente excludente de acreditar em explicação científica e que a maioria dos que acreditam em desinformação acredita em várias narrativas diferentes.

Por fim, os autores recomendam aumentar a amostra, aferir a possibilidade de replicação, estruturar estudos longitudinais e desenhar experimentos randomizados para determinar se as intervenções breves podem melhorar a confiança na ciência.

Esta resenha pertence ao grupo sobre:

Quais estratégias governamentais foram adotadas no Peru em relação à proliferação de desinformação?

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

A abordagem adotada pelo Peru contra a infodemia sobre a COVID-19: insights e estratégias

DUARTE, Rosália Maria

ALVAREZ-RISCO, A. ; et al. The Peru Approach against the COVID-19 Infodemic: Insights and Strategies. Am J Trop Med Hyg., v.103, n. 2, p. 583-586, Aug. 2020. Doi: 10.4269/ajtmh.20-0536. Epub 2020 Jun 4. Disponível em https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32500853/

Os autores contextualizam o estudo informando que o Peru está entre os 15 países do mundo com mais casos de coronavírus, o segundo na América Latina. Com base em estudos publicados, argumentam que a crise causada pela pandemia, em si mesma, provoca altos níveis de estresse, ansiedade e outras formas de adoecimento mental, que podem ser agravadas pela proliferação de notícias falsas ou informações sem a devida base científica, definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como infodemia. Esta foi acompanhada por manifestações racistas e pela difusão e promoção de tratamentos e de medicamentos não comprovados cientificamente. Os autores acreditam que o tempo livre provocado pelo isolamento social e a baixa taxa de alfabetização em saúde tenham contribuído para o agravamento do problema. Apresentam um esquema explicativo de ações envolvidas na decisão de compartilhar ou não notícias sem confiabilidade. E descrevem e analisam algumas das ações empreendidas pela política de saúde do Peru para combater a infodemia, a partir, principalmente, de três grandes “boatos” que circularam massivamente com potencial para comprometer o enfrentamento da doença no país: 1)  que a previsão de mortes até maio seria de mais de 120 mil, quando na verdade o número de mortos foi pouco superior a mil; 2)  que o ministro da Economia havia contraído a doença e estaria com sintomas visíveis; 3) que o Presidente teria sido hospitalizado com sintomas graves, em razão da doença.

Medidas tomadas pelas instituições governamentais para evitar a infodemia:

O Ministério dos Direitos Humanos anunciou pelo Twitter que as pessoas que criassem ou compartilhassem notícias falsas sobre a COVID-19 poderiam ser punidas com prisão, e que a pena seria aumentada caso a notícia causasse danos a terceiros. Segundo os autores, o Peru foi o primeiro país da América Latina a implementar sentenças de prisão por criar e divulgar notícias falsas.       

O Governo empreendeu esforços e pressões junto ao Twitter, para que contas que divulgassem notícias falsas sobre a pandemia fossem excluídas, e junto ao Ebay e à Amazon (plataformas de comércio eletrônico) para que anúncios de medicamentos para a COVID-19 sem comprovação científica fossem automaticamente apagados.

O Governo iniciou também a elaboração de um currículo específico, voltado para alfabetização científica nas escolas públicas.

Agências públicas de saúde do país foram instadas a abrir e manter perfis nas redes sociais, com postagem permanente de informações e dados científicos sobre a doença, e a participarem diretamente dos debates públicos nessas redes, questionando informações não verdadeiras ou sem comprovação.

Foram paralelamente implantadas abordagens de verificação e acompanhamento de postagens, por meio de programas de inteligência artificial, para detectar informações falsas e notificar a plataforma responsável pela publicação.

Os autores concluem que a ampliação da alfabetização em saúde é a principal medida preventiva contra a disseminação de informações falsas e sem base científica.

Esta resenha pertence ao grupo sobre:

Como foi disseminada a informação falsa sobre uma relação entre 5G e transmissão da COVID-19 ?

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

COVID-19 e a Teoria da Conspiração do 5G: Análise de Redes Sociais dos Dados do Twitter

DUARTE, Rosália Maria

AHMED, W.; et al. COVID-19 and the 5G Conspiracy Theory: Social Network Analysis of Twitter Data. J Med Internet Res., v. 22, n. 5, p. e19458, May 2020. DOI: 10.2196/19458. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7205032/#app1

O estudo teve como objetivo compreender a dinâmica de atuação, no Twitter, de impulsionadores da teoria da conspiração 5G COVID-19.

Os autores contextualizam surgimento da tecnologia de comunicação sem fio 5G e assinalam que esta dá suporte à circulação de um volume muito maior de dados do que o atual, em muito menos tempo, com aumento significativo da capacidade dos servidores e qualidade dos serviços prestados. Com forte potencial de impacto econômico e social, fonte de disputas entre países e entre grandes corporações de fornecimento de serviços de transmissão de dados, essa tecnologia está no centro de interesses políticos e econômicos. Essa talvez seja uma das razões para a circulação nas redes sociais de afirmações, sem qualquer evidência científica, de que 5G afeta negativamente a saúde da população.

O texto relata que em janeiro de 2020 apareceram as primeiras postagens apontando 5G como sendo causa da COVID-19 ou seu principal vetor de disseminação. Vídeos e artigos de notícias ligando ambos foram compartilhados intensamente. Sites de checagem independentes concluíram que as teorias embasando essas afirmações eram falhas, mas isso não impediu que continuassem a ser propagadas nas redes sociais.

Para realização do estudo, os pesquisadores utilizaram Análise de Redes Sociais, verificando a interação entre diferentes usuários da rede e identificando o grau de adesão ou agregação em torno deles. O estudo analisou o conteúdo de tweets de 6556 usuários do Twitter, contendo a palavra-chave “5Gcoronavirus” ou a hashtag #5GCoronavirus, respondidos ou mencionados, entre 27 de março de 2020 e 4 de abril de 2020, período em que #5GCoronavirus foi tendência no Reino Unido.  Estudaram 10140 tweets, compostos por 1938 menções, 4003 retweets, 759 menções, 1110 respostas e 2328 tweets individuais, identificando usuários influentes ​​por meio da produção de gráficos descritivos das interações. 

Os pesquisadores identificaram a formação de 5 grupos de usuários, entre os quais 2 se destacaram pelo volume de interações: 1) grupo de isolados (usuários que tuitaram sem mencionar uns aos outros); 2) grupo dos transmissores, que contém uma série de contas cujos tweets estabeleciam uma relação entre 5G e COVID-19, dando origem a uma forte rede de transmissão. Várias contas de usuários influentes foram identificadas no centro desse grupo e um círculo de contas se formou ao redor delas.

No grupo dos isolados, os usuários influentes são membros do público, compartilhando suas visões e opiniões ou artigos de notícias e vídeos apoiando sua causa. Os tweets mostram forte envolvimento deles no compartilhamento de teorias da conspiração. Entre as contas mais influentes desse grupo está também a classificada como “conta de ativismo”, registrada como “5gcoronavirus19”. Objetivando conscientizar sobre a ligação entre COVID-19 e 5G, sua descrição biográfica informa “5G faz com que nosso sistema imunológico diminua e nos tornamos mais suscetíveis a vírus. Wuhan foi a PRIMEIRA cidade 5G COMPLETA! #Coronavírus causado por 5G”. Segundo os autores, essa conta estimulou o debate no Twitter e manteve o poder na rede por ter sido fonte do maior volume de menções e retweets. Para eles, faltou uma figura de autoridade que combatesse ativamente essa desinformação.

Os pesquisadores identificaram também as principais fontes de informação utilizadas pelos usuários que compartilharam tweets sobre a relação entre 5G e COVID19, concluindo que a maioria era de sites de notícias “falsas” ou apresentados como veículos “alternativos”. InfoWars, site popular na difusão de teorias da conspiração, com base nos Estados Unidos, foi a fonte da web mais popular entre os divulgadores do tema no Twitter. 

O artigo traz, ainda, uma análise de conteúdo dos tweets, relatando expressões e argumentos mais utilizados para sustentar e ridicularizar a teoria de que há correlação direta entre 5G e disseminação em massa do coronavírus no mundo.

Esta resenha pertence ao grupo sobre:

Como a desinformação pode afetar a Covid-19?

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Quando o medo e a desinformação se tornam virais: o papel dos farmacêuticos na prevenção da desinformação dos medicamentos durante a infodemia da COVID-19

Elaine Dias

Erku, D.A.; et al. When fear and misinformation go viral: Pharmacists’ role in deterring medication misinformation during the ‘infodemic’ surrounding COVID-19. Research in Social and Administrative Pharmacy, mai. 2020 [no prelo]. DOI:10.1016/j.sapharm.2020.04.032 Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/32387230

O mundo enfrentou um desafio sem precedentes quando o coronavírus (COVID-19) surgiu como uma pandemia. Em meio ao crescente desafio dessa expansão da infecção, existem emergências paralelas que precisam ser combatidas simultaneamente como a proliferação de medicamentos falsos, notícias falsas e desinformação médica em torno da COVID-19.

Os farmacêuticos, por serem uma fonte relevante de informações precisas e confiáveis ​​para o público ou para outros profissionais da área da saúde, são os principais profissionais com habilidades e treinamento necessários para contribuir para a luta contra essas emergências, principalmente reduzindo a disseminação das informações erradas sobre os medicamentos.

Os autores discutem o papel dos farmacêuticos contra as emergências globais de saúde, usando o sistema australiano como exemplo e apresentam um resumo do papel potencial dos farmacêuticos no combate à desinformação sobre medicamentos e outros aspectos a respeito da COVID-19.

A pesquisa de vacinas e tratamentos para COVID-19 foi iniciada imediatamente após o surto, com o objetivo de prevenir a infecção, reduzir a transmissão e/ou gerenciar os graves resultados da doença. Apesar de muitos estudos pré-clínicos e clínicos sobre medicamentos contra a COVID-19, atualmente não há evidências para concluir a opção de tratamento mais segura e eficaz da doença.

A pandemia de COVID-19 provocou um aumento nas vendas de medicamentos “essenciais” falsos e de suprimentos médicos que prometem a cura. Depois que a hidroxicloroquina foi reivindicada como eficaz para o tratamento com COVID-19, houve um aumento na demanda por esse medicamento e um declínio no suprimento internacional, o que representa um risco de curto prazo, principalmente para quem depende do medicamento.

Outra emergência paralela é a sobrecarga de informações e desinformação sobre medicamentos em torno da COVID-19. A OMS descreveu que o surto e a resposta à doença “foram acompanhados por uma enorme infodemia” – uma abundância de informações em excesso em relação à COVID-19 (incluindo medidas ou curas de prevenção falsas) que apresentam preocupações tanto para o público ao distinguir fatos de ficção quanto para agências governamentais definirem políticas baseadas em evidências.

À medida que a COVID-19 se transforma em uma crise de saúde pública global, várias reivindicações infundadas sobre curas e transmissão e/ou exposição foram deflagradas na Internet e nas mídias sociais. Informações erradas sobre medicamentos, na ausência de validação científica, podem potencialmente espalhar medo e pânico desnecessários, minando a disposição do público de seguir conselhos legítimos de saúde pública e de tomar medidas de precaução comprovadas.

Segundo o estudo, os farmacêuticos vêm contribuindo significativamente para o controle da pandemia da COVID-19, através da mitigação da escassez de medicamentos e garantia da qualidade dos medicamentos bem como na disponibilização de informações atualizadas e confiáveis ​​sobre COVID-19 para a comunidade através de folhetos e plataformas de mídia social. No entanto, a COVID-19 apresenta ao mundo uma pandemia paralela de medicamentos “falsos”, suprimentos médicos e “infodemia” de desinformação, o que exige ainda mais esforços de colaboração entre os profissionais para combater essas pandemias.

Esta resenha pertence ao grupo sobre: