English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

A pandemia COVID-19 e a rápida implementação de telemedicina para adolescente e jovem adulto: desafios e oportunidades para inovação

MARTINHO, Alfredo

BARNEY, Angela; et al. The COVID-19 Pandemic and Rapid Implementation of Adolescent and Young Adult Telemedicine: Challenges and Opportunities for Innovation. Journal of Adolescent Health, p.1-8, may 2020. DOI: 10.1016/j.jadohealth.2020.05.006. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/32410810

O artigo trata da rápida implementação da telemedicina em resposta à pandemia, que foi realizada numa clínica de adolescentes e adultos jovens vinculada à Universidade da California, São Francisco (UCSF). Até o presente, não existiam diretrizes práticas específicas. Todos os colaboradores se mobilizaram para solucionar as barreiras e os problemas logísticos decorrentes dessa implementação. No atendimento, foram excluídas as queixas agudas de saúde para avaliação de COVID-19.

A pandemia do coronavírus estimulou a utilização de telemedicina permitindo a continuidade da assistência, evitando a exposição presencial. Toda coordenação entre os prestadores de serviço foi treinada para usar o Zoom Video, ferramenta audiovisual. Foram criados novos protocolos de triagem remota, agendamento e check in de pacientes. Novos fluxos de trabalho foram desenhados pela equipe administrativa para acesso aos serviços de registro eletrônico dos pacientes, que, por envolver menores, necessitou autorizações por escrito. As duas primeiras semanas da intervenção concentraram-se sobre como enfrentar desafios logísticos. Na segunda semana, prestadores começaram a identificar desafios e lições aprendidas em telemedicina para cuidados gerais de saúde de adolescentes.

Conseguiram com esse atendimento manter o número de visitas no mês comparável ao ano anterior, tendo a clínica faturado, em março de 2020, praticamente o mesmo faturado em março de 2019, mas, devido a atrasos, ainda não puderam relatar a receita gerada em março de 2020.

Diante de inúmeras barreiras, foram encaminhadas soluções criativas em dimensões como confidencialidade e todos os desafios específicos em cada tipo de atendimento, com elaboração de diretrizes clínicas que permitiram que a comunicação bidirecional entre os prestadores e os pacientes tivessem eficácia, mesmo sem assistência de dispositivos de exames.

Privacidade e confidencialidade foram desafios, dado à incapacidade de estabelecer um ambiente silencioso e privado para o paciente. Soluções que incentivaram os pacientes a usarem fones de ouvido e uso da função de bate-papo com zoom, permitindo que eles digitassem respostas a perguntas, limitando a divulgação aos membros da família, minimizaram tais problemas.

Foram encaminhadas soluções específicas para cada um dos principais domínios clínicos.

Na saúde mental, os transtornos do humor e a manutenção de medicamentos para hiperatividade foram facilmente gerenciados via telemedicina.

Na saúde reprodutiva, houve limitações aos exames físicos, porém, a telemedicina foi muito efetiva nos aconselhamentos sobre contracepção.

Nos distúrbios alimentares, como requerem um monitoramento de peso, sinais vitais, histórico alimentar, será preciso refinar um protocolo para os membros da família calibrarem em casa escalas de peso, etc.

Pesquisas futuras serão necessárias para entender a segurança, eficácia e aceitabilidade de telemedicina para alguns distúrbios específicos.

Esse trabalho, com pacientes adolescentes e adultos jovens, demonstrou que a telemedicina enfrentou desafios que passaram pela aceitação cultural em toda a cadeia de assistência, e também identificou barreiras e busca de soluções criativas para: confidencialidade dos dados, privacidade, desenvolvimento de diretrizes clínicas, aperfeiçoamento de monitorização remota.

A oportunidade de se levantarem problemas e suas respectivas soluções, que devem ser comuns a outras áreas da assistência, através de resultados comparativos cruzados a outras clínicas que provavelmente foram suportadas pela telemedicina, é uma lacuna a ser preenchida em observações futuras.