Evidências Covid 19

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Estratégias mais adequadas e efetivas para conscientizar a população sobre COVID-19 são necessárias?

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Estratégias mais efetivas são requeridas para fortalecer a consciência pública da COVID-19: Evidência das Tendências do Google

DIAS, Elaine

HU, D. ; et al. More effective strategies are required to strengthen public awareness of COVID-19: Evidence from Google Trends. J. Glob. Health., v. 10, n. 1, p. 011003,  Jun. 2020. Doi:10.7189/jogh.10.011003. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32373339/

Nas últimas duas décadas, com o aumento da disponibilidade e do uso da Internet, as pessoas obtêm informações principalmente por meio desse novo método alternativo. O Google é o mecanismo de pesquisa mais popular e possui o Google Trends, um site que analisa a popularidade de termos de pesquisa em todo mundo. Desde que o Google Trends se tornou disponível ao público, ele foi implementado para examinar vários padrões de classificação temporal de algumas questões relacionadas à saúde e para investigar a conscientização do público sobre essas doenças.

Com o interesse do público sobre medidas preventivas para a Covid-19, os autores examinaram a busca global por COVID-19 usando o Google Trends. Na pesquisa os investigadores recuperaram dados de consulta pública para os termos de “2019-nCoV + SARS-CoV-2 + novel coronavirus + new coronavirus + COVID-19 + Corona Virus Disease 2019”, entre 31 de dezembro de 2019 e 24 de fevereiro de 2020, em seis principais países de língua inglesa, incluindo os EUA, Reino Unido, Canadá, Irlanda, Austrália e Nova Zelândia.

O surto de COVID-19 começou no final de dezembro, no inverno, que também é a estação em que os vírus da gripe atingem o pico. Semelhantemente aos sintomas da gripe, os pacientes confirmados com COVID-19 apresentam febre, tosse e mialgia ou fadiga, alguns têm dor de cabeça e diarreia. Portanto, a maioria das pessoas pesquisou o termo “sintomas do coronavírus” no Google, com medo de ser infectada pelo SARS-CoV-2.

A análise da série dinâmica demonstra a tendência geral de mudança do volume relativo de pesquisa para o tópico COVID-19. Foram realizadas comparações entre os países e também a correlação entre os volumes de pesquisa diários sobre o tópico relacionado a COVID-19 e o número diário de pessoas infectadas.

O estudo demonstrou um aumento da tendência geral de pesquisa em relação a COVID-19 no período inicial do tempo de observação, alcançando o ápice por volta de 31 de janeiro de 2020 na maioria dos países. A duração da atenção do público sobre a doença nos Estados Unidos, Reino Unido, Austrália e Canadá foi maior do que na Irlanda e na Nova Zelândia. Os resultados também sugerem que o resultado de busca para o tópico COVID-19 na maioria dos países foi ligeiramente correlacionado positivamente com o número de pacientes infectados com a COVID-19 na China e com casos confirmados em outros países.

Além disso, dados recuperados dos EUA, Reino Unido, Canadá e Austrália pelo Google Trends mostram que pessoas de diferentes países também tinham um interesse comum nos “sintomas do coronavírus”.

Os termos mais pesquisados ​​nos EUA, Reino Unido, Canadá e Nova Zelândia foram “coronavirus nova york”, “coronavirus uk”, “coronavirus canada” e “coronavirus new zealand”, respectivamente, demonstrando que as pessoas se preocuparam mais com a epidemia da COVID-19 nos seus próprios países.

A correlação entre os volumes de pesquisa diários relacionados a COVID-19 com o número diário de casos confirmados na China e o número total diário de pessoas infectadas com SARS-CoV-2 em outros países (além da China) foi ligeiramente correlacionada positivamente. Isso sugere que a consciência pública sobre a COVID-19 não foi forte o suficiente. Assim, os autores destacam que medidas mais eficazes devem ser tomadas para fortalecer a divulgação adequada de informações sobre a doença a fim de aumentar a consciência pública e, dessa forma, tentar controlar a disseminação da COVID-19 em todo o mundo.

Como as mídias sociais podem contribuir para a comunicação das autoridades de saúde com a população?

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Medindo os esforços de divulgação das autoridades de saúde pública e a resposta pública no Facebook durante a pandemia do COVID-19 no início de 2020: comparação entre países

DIAS, Elaine

Sesagiri Raamkumar A.; Tan, SG; Wee, HL. Measuring the Outreach Efforts of Public Health Authorities and the Public Response on Facebook during the COVID-19 Pandemic in Early 2020: Cross-Country Comparison. J Med Internet Res., v. 22, n. 5 p. e19334, May 2020. Doi:10.2196/19334 Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32401219/

A pandemia de coronavírus (COVID-19) apresenta uma das crises globais mais desafiadoras no início desta década. As autoridades de Saúde Pública ao redor do mundo estão adotando cada vez mais o uso de mídias sociais, como o Facebook, para comunicar e disseminar respostas à pandemia para o público em geral.

Compreender as estratégias de comunicação entre diferentes autoridades de Saúde Pública e examinar a resposta do público nas mídias sociais podem ajudar a melhorar as práticas de disseminação de informação.

Este estudo tem como objetivo examinar os esforços de divulgação no Facebook relacionados a COVID-19 pelas autoridades de Saúde Pública de Cingapura, Estados Unidos e Inglaterra.

Foram analisadas as publicações e os comentários das páginas do Facebook do Ministério da Saúde (MS) em Cingapura, dos Centros de Doenças, Controle e Prevenção (CDC) nos Estados Unidos e o de Saúde Pública da Inglaterra, do período de 1º de janeiro de 2019 (antes da COVID-19 e, portanto, categorizadas como “pré-COVID-19”) a 18 de março de 2020.

Os posts relacionados a COVID-19 foram identificados e classificados em temas e as medidas utilizadas para medir o alcance e o envolvimento do público foram: frequência, média de postagens por dia, reações médias por post, compartilhamentos médios por postagem e comentários médios por postagem. Também foi realizada análise de tendências para examinar como as métricas variavam com os principais eventos, como quando a COVID-19 foi declarada uma pandemia.

O Ministério da Saúde de Cingapura publicou mais sobre a COVID-19 em comparação com as autoridades dos EUA e Inglaterra. Porém, comparando o número médio de comentários por postagem sobre COVID-19, a autoridade dos EUA teve o número mais alto. Foram identificados seis temas principais, com publicações sobre prevenção e medidas de segurança e atualizações da situação prevalecendo nos três países.

As postagens no Facebook pelas Autoridades em Saúde forneceram alguns insights sobre as estratégias de comunicação dos países analisados. Através do estudo, foram identificadas diferenças no envolvimento e esforços dos três países durante os períodos pré-pandêmico e pandêmico. O estudo mostrou que a análise das mídias sociais foi capaz de fornecer informações sobre as estratégias de comunicação durante surtos de doenças.