Evidências Covid 19

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Como as máscaras podem ajudar a proteger do contágio da COVID-19 ?

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Proteção facial na era da COVID-19: uma revisão narrativa

NACCACHE, Mônica

LI, D. T. S.; et al. Facial protection in the era of COVID-19: a narrative review. Oral Diseases, Jun. 2020. [publicado antes do impresso] DOI: 10.1111/odi.13460. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/odi.13460

Artigo de revisão publicado em periódico, discute sobre os diferentes tipos de máscaras de proteção facial.

O uso de proteção facial é essencial na prevenção de infecções. Porém, a eficácia da maioria destes equipamentos ainda não foi provada. Observa-se a importância do uso de máscaras de alta-eficiência para profissionais de saúde, e o uso de máscaras comuns para a comunidade em geral, a fim de reduzir a velocidade de contágio. Este uso é recomendado principalmente pela possibilidade de transmissão por pacientes assintomáticos.

Os autores descrevem as máscaras respiradoras (N95, FFP2 e variantes) como sendo as que têm a maior capacidade de filtragem (filtram 90% das partículas de tamanho similar ao do vírus), possuem quatro camadas de filtros, se ajustam perfeitamente à face, e devem ser usadas uma única vez.

As máscaras cirúrgicas são usadas quando o risco de contaminação é de baixo a moderado, e têm três diferentes classificações, de acordo com a capacidade de filtração. Estas máscaras têm três camadas, mas não filtram partículas pequenas de forma eficiente e não se ajustam perfeitamente à face, mas podem ser efetivas em grande número de situações. Estas máscaras são recomendadas para uso da comunidade em geral, visando a redução do contágio da COVID-19. Os autores concluem que seu uso pode efetivamente reduzir o contágio, desde que associado a outras medidas, como o distanciamento social.

As máscaras de uso único e as feitas de tecido têm eficiência reduzida mas mesmo assim podem contribuir com a redução do contágio, e também são uma boa alternativa para uso com outras medidas como redução de circulação e distanciamento social.

Barreiras faciais não oferecem proteção contra o vazamento de aerossóis em suas margens. A sugestão é que sejam usadas apenas como proteção adicional (às máscaras, por exemplo). A vantagem é que são robustas e de fácil desinfecção, além de não bloquearem linguagens de interpretação visual.

Respiradores a bateria (Powered Air-Purifying Respirator, PAPR) são uma alternativa a algumas situações na impossibilidade do uso das N95, mas seu custo é bem elevado e também requer treinamento.

Foi feita uma comparação da incidência de COVID-19 na região de Hong Kong (onde 96,6% da comunidade em geral usava máscara tipo cirúrgica) com países em que o uso não era feito, e observou-se que a incidência era bem menor. Concluiu-se que o uso das máscaras diminui efetivamente a incidência de COVID-19, reduzindo a emissão de saliva e gotas respiratórias por pessoas contaminadas.

A reutilização das máscaras não é recomendada. Porém, com a falta de equipamentos, alguns métodos de desinfecção, por calor, por tratamento químico e por radiação, foram propostos, porém não são 100% seguros, e ainda existem questões em aberto: as máscaras podem ser efetivamente esterilizadas? Como? Quantas vezes? As máscaras reutilizáveis devem alcançar um balanço entre eficiência de filtração e integridade de material. A pesquisa por máscaras reutilizáveis deveria ser intensa, tendo em vista a possibilidade de surgimento de novas pandemias e epidemias.

O uso continuado de máscaras faciais pode resultar em problemas de pele como alergias, úlceras e outras lesões.

Os autores concluem que o uso das máscaras efetivamente reduz o contágio da COVID-19.