English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

O que a pandemia de COVID-19 significa para o controle de HIV, tuberculose e malária?

FABER, Vanila

AMIMO, F.; LAMBERT, B.; MAGIT, A. What does the COVID-19 pandemic mean for HIV, tuberculosis, and malaria control? Tropical Medicine and Health, v. 48, n. 32, Mai. 2020. Doi: 10.1186/s41182-020-00219-6 Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7218555/pdf/41182_2020_Article_219.pdf

Na atual pandemia pelo Coronavírus 2019 é importante ressaltar a população que já convive com outras doenças infecciosas, como HIV/AIDS, tuberculose e malária, principalmente em regiões de maior vulnerabilidade como o continente africano. Inclusive porque que na África essas doenças são endêmicas, ou seja, estão presentes em várias áreas de maneira permanente.

Na África, em comparação ao restante do mundo, o número de casos e/ou de óbitos pelo novo Coronavírus 2019 foi mais baixo. Isto ocorre provavelmente devido à presença maior de jovens, ou seja, a média da população africana é de 18,7 anos, enquanto a média global é de 30,2 anos. Pois é sabido que as formas mais graves e, a maioria dos óbitos causados pelo novo Coronavírus 2019, ocorrem, principalmente, em pessoas idosas. Além disso, como a maioria apresenta formas leves ou assintomáticas (sem sintomas), provavelmente nem procuram os serviços de saúde, o que pode estar gerando uma subnotificação dos casos.

No continente africano, a maioria dos países não possuem testes suficientes para fazer o diagnóstico da infecção pelo novo Coronavírus 2019. Além disso, existe uma incapacidade de rastreio de contatos, seja pelos pacientes não procurarem corretamente os serviços de saúde, seja por falta de pessoal capacitado. Apesar de terem um número oficial relativamente baixo de infecção pelo novo Coronavírus 2019, este representa um risco importante para a saúde pública deste continente, uma vez que existem muitas pessoas com outras doenças infecciosas, e que necessitam de acesso constante aos serviços públicos de saúde.

O isolamento social, uma das medidas mais adotadas pelos governos de todo o mundo, não funcionam bem na África, uma vez que este continente alberga a maioria dos casos de pessoas convivendo com HIV/AIDS do mundo, além de pessoas com tuberculose e malária, que precisam ir constantemente aos serviços públicos de saúde buscar seus fármacos para tratamento dessas infecções. Portanto, limitar o número de pessoas utilizando transporte público, por exemplo, só faz com que as outras patologias sejam negligenciadas. Ou seja, na África, a pandemia pelo novo Coronavírus 2019 está tornando o acesso aos serviços de saúde limitado, o que por sua vez leva as pessoas a fazerem o tratamento para HIV/AIDS, tuberculose e malária de maneira equivocada. Esse efeito, por sua vez, leva à disseminação da resistência microbiana, agravando ainda mais a condição de saúde da população.

Esta resenha pertence ao grupo sobre: