English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Suspeita de lesão miocárdica em pacientes com COVID-19: evidência da observação clínica de primeira linha em Wuhan, China

LASSANCE, Marcio

DENG, Qing ; et al. Suspected myocardial injury in patients with COVID-19: Evidence from front-line clinical observation in Wuhan, China. International Journal of Cardiology, v. 311, p. 116-121, Jul. 2020. DOI 10.1016/j.ijcard.2020.03.087. Disponível em http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/32291207

Durante o surto da doença causada pelo novo coronavírus (COVID-19) em Wuhan, China, desde dezembro de 2019, percebeu-se que a lesão do músculo cardíaco poderia levar os pacientes a óbito. Realizou-se então análise dos casos de COVID-19, focando-se nas manifestações cardiovasculares, em busca de evidências de doença cardíaca causada pelo novo coronavírus.

A despeito da pneumonia grave, viu-se que a doença causada pelo novo coronavírus pode acometer diversos órgãos e sistemas, levando ao que denominamos falência de múltiplos órgãos. Neste contexto, o coração torna-se alvo da doença, possivelmente por ação direta do vírus no músculo cardíaco, causando miocardite, uma condição potencialmente fatal. O objetivo deste estudo foi a coleta de informações que demonstrassem evidência de miocardite e injuria miocárdica causada pela COVID-19.

Foi, pois, realizado um estudo retrospectivo no Hospital Renmin da Universidade de Wuhan, englobando 112 pacientes com sintomas iniciados entre 6 de janeiro e 20 de fevereiro de 2020. O diagnóstico de COVID-19 foi confirmado durante a internação hospitalar. Dados concernentes ao sistema cardiovascular foram coletados para diagnóstico de miocardite. Dosagem sérica de Troponina I e peptídeo natriurético cerebral (NT-pro BNP), ecocardiograma e eletrocardiograma foram realizados de forma seriada nos pacientes selecionados durante o período de hospitalização. Para análise, os pacientes foram divididos em graves e não graves, conforme critérios definidos pelos autores.

Analisando-se os resultados, os autores concluíram que 12,5% dos apresentaram evidências sugeriam o diagnóstico de miocardite. No geral, eram pacientes mais graves e com maior probabilidade de internação em terapia intensiva. De nota, quanto maior a dosagem dos níveis séricos de Troponina I, maior a probabilidade de óbito.

A realidade é que estamos diante de uma doença relativamente nova. Sabemos que alterações cardiovasculares podem advir da infecção pelo novo coronavírus. Há, no entanto, algumas possibilidades que explicariam tal fenômeno. Indivíduos com doenças cardíacas pré-existentes, ainda que assintomáticos, podem apresentar descompensação clínica na vigência de infecções graves, mormente aquelas cursando com pneumonia de baixa saturação de oxigênio sanguíneo. Ainda, a própria síndrome de resposta inflamatória sistêmica associada aos casos mais graves da infecção pode levar a alterações cardiovasculares similares àquelas vistas na miocardite, assim como causar trombose coronariana e infarto agudo do miocárdio. O diagnóstico definitivo da miocardite é feito por meio de biopsia do miocárdio com detecção de material viral incorporado nas células musculares cardíacas. Desta forma, é difícil atribuir as alterações laboratoriais descritas no artigo unicamente à ação direta do vírus no coração. Entretanto, sabemos, à luz de estudos posteriores a este, que o vírus, em alguns casos, pode causar miocardite. O que sabemos atualmente é que as manifestações cardiovasculares secundárias à COVID-19 têm múltiplas causas, sendo a miocardite apenas uma delas. O diagnóstico preciso é importante pois norteia o tratamento correto.